quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Antecedentes à Tomada de Montevidéu: 15 a 19 de Janeiro de 1817


Por altura das acções de Arapeí e Catalán, nos primeiros dias do ano, o tenente general Carlos Frederico Lecor e o grosso da Divisão de Voluntários Reais, com a excepção dos cerca de 400 efetivos destacados na coluna do Centro, estavam acampados em San Carlos e Maldonado, na extrema esquerda da linha que se extende das Missões, pela fronteira e terminando no Atlântico. Já há 3 semanas (após a ação de Sauce) que ali permaneciam. A paragem da DVR nesta área, na margem esquerda do arroio de Sauce, deveu-se fundamentalmente à junção com a Marinha e a concentração de forças para a aproximação a Montevidéu, apenas a 140 quilómetros.
Concertado com Lecor, desde o início de janeiro que a divisão naval ligeira do capitão de mar e guerra Conde de Viana, D. João Manoel de Meneses, bloqueava Montevidéu, desde a fragata Calipso. 

Os Muros de Montevidéu
A 5 de janeiro, um dia depois da derrota em Catalán, José Artigas escreve a Miguel Barreiro recomendando o abandono da praça e a a destruição dos muros. Artigas tinha recebido nesse dia informações da batalha por dispersos. Uma ordem semelhante já havia sido dada em dezembro, tendo dias depois determinado que seriam Barreiro e o Cabildo a decidir. Estes eram contra então como agora.

Esta mesma questão já se tinha posto em dezembro, quando Barreiro desabafando por carta a Frutoso Rivera, informa que Artigas havia dado a ordem de destruição dos muros para que não aproveitassem aos portugueses, tendo enviado depois uma contra ordem para que fosse o Cabildo a decidir, sendo que o Cabildo decidiu pela não destruição seja o que for na praça.


Pan de Azúcar e a Estrada de Montevidéu
Logo após a reunião com a Coluna do Centro, sob o comando do brigadeiro Bernardo da Silveira Pinto, a 15 de janeiro em Pan de Azúcar, que tratamos noutra postagem, o general Lecor decide avançar com todas as suas forças sobre Montevidéu.

“(...) marchei de S. Carlos no dia 14, tendo dado ordem ao Exc. Conde de Vianna Commandante da Esquadra de Sua Magestade para hir com os Navios effectuar o desembarque da Artilharia grossa; o Trem do Sitio na Praia de Busseu, e estreitar o Bloqueo do porto de Monte Video; e feito previamente hum movimento da Collunna do Commando do Brigadeiro Silveira de Minnas para o Pam de Assucar, pude illudir o Innimigo com esta marcha a respeito do avançamento das outras tres Collunnas do Commando dos Generaes - Pinto, Aviles, e Pizarro, com as quaes cheguei no dia 15 ao Campo do Pam de Assucar, e logo com todas as Forças reunidas [continuei] a avançar, avistando algumas pequenas Partidas Innimigas, que apennas fizeraõ hum ligeiro tiroteio com as minhas avançadas em alguns Pontos, retirando se sempre sobre as Troppas de Fructuoso Ribeiro.” (Carlos Frederico Lecor ao Marquês de Aguiar, 27/1)

Solis Chico
Segundo Tomás Burgueño, bombeiro oriental que informava regularmente Montevidéu, às 10 horas de 17 de janeiro, as avançadas portuguesas atingiam já o arroio de Solis Chico, a 50 quilómetros da capital.

“Por esta, participo á V E q.e el exercito enemigo todo reunido pasa en marcha p.a montev.e todo reunido pues las abansadas llegan lla á Solis Chico pues Yo no me separo un quarto de legua de la vista de ellos y otras veses á tiro de fucil p.' benir observando los movimientos de ellos.” (Tomás Burgueño a Miguel Barreiro, 17/1)

Burgueño, possivelmente tenente, à altura, documenta com zelo os movimentos do inimigo para o delegado Miguel Barreiro, que tem assim a noção exata da localização do inimigo português. As forças orientais pouco mais podiam fazer, tendo em vista as forças enormes que se aproximavam, próximas dos 4 mil homens, entre a DVR e várias unidades do Exército do Brasil.

No dia seguinte, 18, o grosso das forças portuguesas chega, segundo o Contemporâneo Oriental (1830), que muitos propõem seja o próprio Frutuoso Rivera, a um local chamado Chacarita de Los Padres, que não consigo localizar hoje, mas que seria próximo do arroio de Los Padres, entre Soca a Embalse Olmos atuais.

Evacuação de Montevidéu
Nessa noite, o delegado Miguel Barreiro decide evacuar a praça de Montevidéu. A guarnição, de cerca de 800 efetivos, era constituída por um batalha de infantaria de Libertos, comandado por Rufino Bauzá e a Artilharia de guarnição, comandanda por Bonifacio Ramos, portenho de Buenos Aires. Com estes, muitos civis patriotas sairam também da cidade, como Joaquin Suárez (na imagem) e Santiago Serra. Tomavam a direção de Canelones e o Paso do Cuello, mais a norte.


* * *

Arroio de Pando (Wikicomons)

Entre os arroios de Pando e Manga
A 19 de Dezembro, os portugueses já haviam passado Pando e estavam já a duas léguas portuguesas e meia da capital da banda Oriental (cerca de 15 km) quando recebem, por volta das dez horas da manhã, Agustin Estrada e o padre Dámaso Antonio Larrañaga, em representação do Cabildo da cidade, para anunciar a retirada da guarnição federal e negociar a entrega da cidade.

“(...) a duas legoas e meia de Monte Video se me apresentou huma Deputaçaõ do Cabildo daquella Cidade informando-me = que Barreiro Dellegado de Artigas evacuando a Praça no dia 18 tinha devolvido o Governo ao Cabildo, de quem os Diputados apresentaraõ-me o officio, que tenho a honra de trasmittir a V. Exca e trataraõ das condicoés com que se me offerecia tomar posse das Fortalezas e Cidade”. (Carlos Frederico Lecor ao Marquês de Aguiar, 27/1)
A primeira reunião do Cabildo
P. Damaso Antonio Larrañaga
Antes nesse mesmo dia,  o Cabildo havia reunido com Juan de Medina, Alcaide de 2.º voto, que presidiu a reunião em substituição de Juan José Duran, ausente em Buenos Aires), Felipe Garcia, Agustin Estrada, Lorenzo J. Perez e o procurador Jeronimo Pio Bianqui. Ausente também em comissão em Buenos Aires, estava Juan F. Giró.

Ao contrário de Durán e Giró, que voltariam e aceitariam também a decisão do Cabildo, Joaquim Suárez, número dois de Miguel Barreiro,  e Santiago Serra, capitão do porto, haviam retirado com Miguel Barreiro e a guarnição.

De facto, Montevidéu quedava sem guarnição militar federal e as autoridades civis retiraram daí a sua conclusão, a única ação possível: a entrega das chaves da cidade, pedindo as condições mais favoráveis para o vecindário e o comércio.
Na primeira reunião, é o procurador geral síndico Jeronimo Pío Bianqui que toma a iniciativa, apresentando a moção para a entrega da cidade e renega a autoridade da Liga Federal e de José Artigas:

Jeronimo Pio Vianqui que tomando la palavra hizo mosion Sobre que medios devian adoptarse despues del avandono hecho dela fuerza armada que oprimia al Vecindario, representando los deseos por la paz y tranquilidad que havian sido constantemente manifestado por el Pueblo, q.e hasta ahora se vio forzado á sofocarlos y de consiguiente livres de aquella opresion se hallaban en el caso de declarar y demostrar publicamente si la violencia havía sido el motivo de Tolerar y ovedecer á Artigas.  

Após discussão, os capitulares decidem por unanimidade enviar uma carta ao tenente general Lecor, a entregar pelos dois mensageiros que haviam chegado ao campo:

"Ilustrísimo y Exmo Sor, el Cavildo de esta Ciudad de Montevideo acava de reasumir la autoridad politica y militar en ella desde que las tropas de su guarnicion la desampararon marchando á otros destinos. La municipalidad pues se halla á la Caveza de un Pueblo pacifico y absolutamen.te tranquilo que lejos de defenderse con el uzo de la fuerza, solo desea se avrebien los momentos de verse resguardado y seguro bajo la protexcion de las Armas Portuguezas, Al efecto dirije el Cavildo á V.E. la presente Diputacion premunida de amplios poderes paraque acordando con V.E. la forma y modo con q.e deve ocupar esta Plaza, y ratificadas las condiciones por esta Municipalidad pase V.E. á ocuparla con la fuerza de su man do p. satisfaccion comun. Aunque el Cavildo no ha sido enterado oficialmen.te dela intimacion hecha al ([Montevideo]) Govierno sobre el motivo de la Guerra há llegado no obstante á sus oidos q.e el obgeto de S. M. F. se reducia al restablecimiento del orden Publico para seguridad de sus fronteras, y que por lo demas garantia la seguridad individual de todos los avitantes de esta Provincia, el pleno goze de sus propiedades y poseciones rurales y hurbanas su[s]establecimientos Cientificos laudables usos y costumbres. Si á este veneficio se agregase el de livertar de contrivuciones á un Vecindario empobrecido y exauto, consideraría esta Ciudad (colmada su fortuna) ala sombra de tan alto protector. Tales podran ser las bases de las favorables condiciones que espera esta pacifica Ciudad se le dispensen. [...]”

Com a mesma mensagem e propósito, o Cabildo envia também uma delegação ao capitão de mar e guerra Conde Viana, D. João Manuel  de  Meneses, que comandava as forças navais sitiantes, formada por Jeronimo  Pio  Bianqui  y  o vizinho Francisco Xavier de Viana.

Uma Pequena Coluna
Na ocasião em que Larrañaga e Estrada se encontravam com Lecor, topou-se ao longe a noroeste uma pequena coluna, possivelmente retardatário da evacuação que havia começado na noite anterior.

Nesta mesma occasião se vio sobre a estrada de Cameloens [Canelones] uma pequena columna; era a guarnição da praça commandada por Barreiros [Miguel Barreiro], Delegado do General Artigas, que se retirava na direcção d’aquelle povo. O General em Chefe por mais instigado que fosse pelo General Pinto, não consentio que se perseguisse este pequeno Corpo, que de certo ficaria prisioneiro, visto ter [sic] quase todo de infantaria; e bem assim cahiria em nosso poder uma grande porção de carretas, que escoltava. Não faltou quem murmurasse da apathia com que o General em Chefe se mostrou n’esta occasião; e nos consta, que o General Silveira, e o Coronel Saldanha (os melhores officiaes da Divisão) também não levarão a bem este comportamento. 

O tenente Lobo Barreto, que elogia quase sempre Lecor, critica-o aqui com recurso à opinião dos melhores oficiais da DVR, questionando o seu espírito de iniciativa.

Até que ponto seria benéfico para Lecor ordenar um ataque à coluna de Barreiro na estrada para Canelones, não sabendo que outras tropas orientais poderiam estar nas proximidades, ao mesmo tempo em que a cidade de Montevidéu lhe pergunta os termos da sua rendição, através de Estrada e Larrañaga? A questão do general político ou do político general coloca-se de novo, apesar das acusações de falta de iniciativa serem uma constante ao longo dos anos entre muitos dos seus subordinados, inclusive os que apreciavam Lecor.

O então coronel Saldanha reflete meses depois sobre a falta de actividade e vigor do general:

[...] «não tem a actividade e o vigor que necessita um comandante em chefe, e por isso as nossas operações hão-de ser sempre lentas e pouco brilhantes e sabe Deus qual será o resultado.» (Carta de 28.11.1817, Saldanha ao irmão – Sacramento,em Belisário Pimenta)


A Segunda Reunião do Cabildo
Os emissários Estrada e Larrañaga, a Lecor, e Bianqui e Viana, ao Conde de Viana, retornaram e numa segunda reunião do Cabildo, provavelmente ao início da tarde, leu-se a proclamação que Lecor havia endereçado ao povo oriental, e novas condições que pretendiam manter o Cabildo e demais autoridades, assim como toda a normalidade no comércio e na indústria, principalmente charqueadas (como se dizia no Rio Grande) ou saladeros, de seca de carne, a maior exportação oriental.

-- CarlosFederico Le-cor Teniente General de los Exercitos de Su Magestad Fidelisima General en Gefe delas Tropas destinadas ala pasificacion dela margen isquierda ([hasta]) del Rio dela Plata, Comendador de las ordenes de S.  Bento de Aviz y dela Torre y Espada  &  &  &  -=  Pueblos de la  margen isquierda  del  Rio  dela  Plata  =  /  Los  repetidos  insultos  q.e  el caudillo  Artigas  ha  hecho  álos  havitantes  pasificos  de  buestro pais  y  álos  del  Rio  Grande;  la  prohivicion  absoluta  de  comunicaciones  entre  huesitos  Paysanos  y  los  Portugueses dela  frontera;  y  ultimamente  la  disposicion  obstil  en  q.e colocó  sus  Tropas  dirigiendolas  alas  imediaciones  del  Rio Pardo  son  hechos  muy  publicos,  y  mas  q.e  suficientes  para probar  las  intenciones  de  aquel  caudillo,  p."  demostrar  con ebidencia,  q.e  (ni)  entre  vosotros  puede  haver  estabilidad de  Govierno,  ni  seguridad  en  los  dominios  Portugueses mientras  el  os  oprima.  Vn  caudillo  q.°  apropiandose  buestra fuerza  armada  os  arrastro  con  ella  á  seguir  sus  opiniones: un  Caudillo  cuyo  comportamiento  ha  sido  hostil,  y equiboco,  menos  enlo  q.e  toca  á  sus  intereses  particulares, no  puede  hacer  la  fortuna  de  buestro  Paiz,  ni  huesitos  vecinos  pueden  fiarse  en  sus  relaciones  politicas.  Terminemos  pues,  havitantes  de  la  Provincia  de  Montevideo  un  estado de  insertidumbre  q.e  arruina  buestro  paiz  y  inquieta  la  frontera del  Reyno  del  Brasil.  Para  ebitar  tantos  males  soy  yo  mandado  por  mi  Soberano  con  las  Tropas  q .e  veis  /  y  otras  q.`  las siguen.  Ellas  empero  no  marchan  á  conquistaros,  ni  arruinar buestras  propiedades;  bien  al  contrario  su  unico  objeto  es  el de  sugetar  al  enemigo,  libraros  dela  opresion  restableser buestra  tranquilidad,  abolir  las  contribuciones extrahordinarias  q.'  se  os  huvieren  impuesto,  y  tratar  atodos con  blandura,  á  esepsion  solamente  de  aquellos  que  os  Acen perturbar de aqui adelante el sociego publico, Havitantes  q.°  amais  los  intereses  de  buestro  paiz!  Permaneced  tranquilos  en  buestras  casas.  Confiad  enlas  promesas  q  .e  os  hago  en  nombre  de  mi  Soberano;  el  me  constituye Gefe de un Govierno interino en esta provincia; y yo protesto por  el  honor  de  un  antiguo  Oficial,  y  de  vasallo  fiel,  q.e  boy  á cumplir  escrupulosamente  las  ordenes  q.`  resibi  del  mismo  augusto  Señor,  y  q.e  todas  se  dirigen  á  buestra  felicidad.-  Carlos Federico  Le-cor  Comandante  en  Gefe

Que amas de esto apropuesta de los Señores diputados combenia en q.e permaneciese el establecim.to del cuerpo Capitular, q.e aquellos oficiales q.e se le presentasen a su entrada en la Plaza serian atendidos; exponiendo aserca dela  conserbacion de leyes usos costumbres y libertad del comercio q.e las ideas, de S.M.F. eran las mas liberales y beneficas á faboreser estos Pueblos, q.e esperaba de los generosos sentimientos de su soberano, q.e se le guardarian todos los fueros, excencions  y  privilegios;  y q.e desde luego ibamos á gosar de la misma libertad de Comercio con todos los Pueblos, q.e la q.e disfrutaban sus vasallos del Brasil: q.e se trataria y acordaria algunas otras disposiciones q.e se jusgasen utiles al mejor bien y combeniencia del Pueblos, baxo cuya garantia acordo este Ayuntam.to

O Cabildo aprova a comunicação e as condições do comandante português e decide fazer a entrega formal da praça no dia seguinte:

Que  correspondiendo  los  deseos  de  aquel  augusto  soberano á los votos publicos baxo la seguridad q.` el mismo Iltmo y  Exmo  S-ir  General  havia  ofresido,  se  determinase  la  entrega de  esta  Ciudad  y  se  admitiese  la  p(r)oteccion  q.e  la  bondad  de S.M.F.  ofresia  por  medio  del  expresado  Iltmo  y  Exmo  Sór General  Don  Carlos  Federico  Le-cor  á  estos  miserables paises  desolados  por  la  anarquia  en  q.e  han  sido enbueltos  en  espacio  de  tres  años.  En  esta  virtud  acordó  S.E. la forma en q .e devia resibirse en el dia inmediato, y siguiendo el  seremonial  acostumbrado  p.'  los  Señores  Capitanes  Generales  de  Provincia  combinieron  en  q.°  saliese  el  Ayuntamiento en  Cuerpo  con  los  demas  Tribunales  hasta  la  puerta  dela  Ciudad  donde  haciendo  entrega  delas  llaves  el  Caballero  Sindico Procurador  General  de  Ciudad  al  expresado  Iltmo  y  Exmo  Sór General  sele  condujese  baxo  de Palio  ala  Iglecia  Matriz,  donde se entonase un solemne Tedeun, y se diesen gracias al todo Poderoso  por  los  veneficios  q.`  su  infinita  misericordia  se  dignaba  dispensarnos

Saladero del Seco
É Lobo Barreto que nos informa que as tropas portuguesas ficam em Pando até à noite, em que recebem a acta da segunda reunião, e demais informação sobre a entrega formal da cidade. Depois vão para o Saladero del Seco, uma charqueada, mais a sul, próxima da praia de Buceo, onde a artilharia pesada foi desembarcada.

Depois de nos demorarmos neste ponto até quase á noite nos encaminhamos para o Saladeiro do Secco (a trez quartos de legoa da Praça) e ali acampamos com ordem de nos prepararmos a fazer nossa entrada em Montevidéo. (João da Cunha Lobo Barreto, p.12)

No dia seguinte, Lecor tomou posse da cidade de Montevidéu e tornou-se capitão general da Banda Oriental, em nome de sua Majestade Fidelíssima D. João VI.


* * *


Biografias

Fontes
- BARRETO, João da Cunha Lobo, “Apontamentos historicos a respeito dos movimentos e ataques das forças do comando do general Carlos Frederico Lecor, quando se ocupou a Banda oriental do Rio da Prata desde 1816 até 1823 (…)”, in:Revista do IHGB, vol. 196, Julho-Setembro 1947, pp.4-68.
- BAUZA, Francisco, História de la Dominación Española en el Uruguay (tomo VI), Col. Clásicos Uruguayos, Ministério de Instrucción Pública: Montevideo, 1965. 444 pp.
- DUARTE, Paulo de Queiroz, Lecor e a Cisplatina 1816-1828 ( 3 v.), Rio de Janeiro, Biblioteca do Exército Editora, 1984.
- LAMAS, Andrés, Coleccion de Memorias y Documentos para la Historia e la Jeografia de los Pueblos del Rio de la Plata, Tomo I, Montevideo, 1859.
- ARCHIVO ARTIGAS, tomo XXII

Imagens
- Cabildo de Montevideo, Uruguai, File:CabildoMontevideo1.jpg in: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:CabildoMontevideo1.jpg
- Arroio de Pando, File:Arroyo Pando at Pando.jpg in: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Arroyo_Pando_at_Pando.jpg

Sem comentários:

Enviar um comentário