quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Batalha de Carumbé: 27 de Outubro de 1816


O general Joaquim Xavier Curado, vendo anulada a pressão oriental na sua direita, após as derrotas de André Guazurarí Artigas em S. Borja a 3 de outubro, e de coronel José Antonio Berdún em Ibirocaí a 19 de outubro, decide atacar o grosso das forças orientais na área da guarda de Santana (hoje a cidade de Santana do Livramento), sob o comando do próprio José Artigas.
O objetivo era a supressão desta última ameaça sobre o território riograndense, o que cumpriria plenamente as instruções que o capitão geral marquês do Alegrete recebera em Junho do governo no Rio de Janeiro (impedir qualquer invasão, na fronteira do Quaraí, e preparar a chegada da Divisão de Voluntários Reais pela fronteira do Jaguarão). 
É por esta altura que o general Curado muda a reunião de tropas do arroio Ibirapuitã Chico para o Ibirapuitã (Grande), por forma a estar mais próximo das tropas inimigas reunidas na guarda de Santana.

Para conhecer mais sobre a perspetiva oriental visite: 



A batalha
Xavier Curado destaca uma coluna de 760 homens das três armas, sob o comando do brigadeiro graduado Joaquim de Oliveira Alvares, chefe da Legião de Tropas Ligeiras de São Paulo, com o objetivo de atacar qualquer força inimiga na zona de Santana e fazê-la recuar de volta ao seu próprio território.

Alvares parte na noite de 24 para 25 de outubro e fez quatro léguas [cerca de 26 quilómetros) até a estância do Varguinhas, onde esperou a reunião de todos os efetivos e toma conhecimento de forças inimigas que retiravam gado do lado português. 
No dia 26, Alvares toma posição no arroio de Elias, aí topando bombeiros orientais, ou batedores de reconhecimento, como seriam hoje designados.
Finalmente, no dia 27, domingo, tendo marchado uma légua [c. 6,6 km], os portugueses detetam as avançadas orientais, “massas de cavalaria”, ordenando Alvares que fossem atacadas e dasbaratadas pelas patrulhas flanqueadoras da coluna, enquanto a marcha prosseguia até à guarda de Santana, onde decorreu a batalha.

Consequências
A batalha de Carumbé, e respetiva vitória portuguesa, efetivamente encerrou a primeira parte das operações na fronteira do Quaraí e vem a cumprir exatamente as ordens que Alegrete tinha do governo do Rio, como já indiquei acima. As forças orientais haviam sido inapelavelmente derrotadas nas três frentes, primeiro nas Missões, depois na parte ocidental, quase inóspita, do distrito de Entre Rios e agora em Santana. 

Entre 21 de Setembro e 27 de Outubro, quase tudo correu bem às tropas da Capitania do Rio Grande, sob o comando do tenente general Joaquim Xavier Curado. Este general, goiano de 73 anos, carioca de adoção, soube gerir os recursos humanos e materiais de forma admirável, delegando o comando em forças combinadas de infantaria, cavalaria e artilharia, sempre em comandantes diferentes (José de Abreu em Missões, João de Deus Mena Barreto em Ibirocaí e Joaquim de Oliveira Alvares em Carumbé), numa área enorme e extremamente despovoada.

Memórias
Para esta batalha temos três fontes memorialistas, o que não só representa um escalamento da campanha e consequentemente de testemunhas, mas a possibilidade aqui de termos ambas as visões portuguesa e oriental. No caso de Carumbé, das memórias e cartas, há uma portuguesa, a do comandante, brigadeiro Joaquim de Oliveira Álvares, chefe da Legião de São Paulo, que transcrevo em baixo, e uma oriental, a do major Andrés de Latorre, que comandou a ala direita oriental. A terceira fonte, muito curiosa e informativa, é o interrogatório, feito a 7 de dezembro (mais de um mês depois) do soldado Ramon Bargas, da 7.ª companhia de infantaria do Regimento de Blandengues, feito prisioneiro na batalha.

Por razão de espaço e de organização decidi colocar a transcrição portuguesa nesta postagem, e as duas orientais numa outra neste mesmo dia, mas ambas devem ser lidas em conjunto, de forma a perceber as visões do confronto, por 3 perspetivas diferentes.




Transcrição da Parte Oficial da batalha de Carumbé pelo brigadeiro graduado Joaquim de Oliveira Alvares 
(adaptado e ortografia modernizada)

Acampamento do Arroio Elias. 27 de Outubro de 1816

Apresso-me a comunicar a V. Ex.ª, que as Tropas debaixo das minhas ordens acabam de bater completamente 1500 Insurgentes, comandados por José Artigas em pessoa.  

[25 de outubro, madrugada]
Já tive a honra de participar a V Ex.ª, que tendo me adiantado na madrugada de 25 do corrente, com 300 praças da Infantaria da Legião de S. Paulo, cheguei pelas nove horas à Estancia do Varguinhas, quatro léguas distante deste acampamento onde tomámos conhecimento de aí estarem na véspera a partida inimiga a tirar gados.

[25 de outubro, tarde]
Igualmente participei a V Ex.ª que sobre a tarde se me reuniu 300 praças de cavalaria de Dragões [do Rio Grande], Legião de S. Paulo e Milícias [do Rio Pardo], 40 de artilharia a cavalo da Legião, com 2 peças de 6, e 2 Carros munchegos, assim como as Guerrilhas de Alexandre Luiz de Gabriel Machado, e de Jacinto Guedes, e João Pais, completando tudo o n.º de 760 homens na forma especificada no papel n.º 1 .

[26 de outubro]
No dia 26 marchámos três léguas ao Arroio de Elias, e já os nossos postos avançados deram noticias de bombeiros inimigos.

[27 de outubro]
No dia 27, não tendo ainda marchado uma légua, começamos a descobrir sobre as alturas pequenas partidas, que as nossas patrulhas flanqueadoras não deixavam de perseguir; e nas que só reproduziam incertamente, até que chegamos à coxilha que faz a divisa da nossa fronteira.

Devisamos grande movimentos na grande guarda do Inimigo posta sobre a Coxilha se S. Ana, ou Morros de Carumbé meia légua boa distância daquela, e muitas  partidas de cavalaria, que concorriam a senhorear-se do arroio, uma das vertentes de Quaraí, que divide as duas coxilhas na distância de um quarto de légua.

[reposicionamento da linha portuguesa]
Impossibilitado de ir pessoalmente fazer o reconhecimento do terreno, e das forças inimigas pelos motivos que ficam indicados, resolvi-me a tomar no entanto uma posição vantajosa (de uma iminência) de 400 passos sobre a retaguarda onde me formei em batalha; postando na direita o esquadrão de Dragões, na esquerda o de Milícias, e no centro 220 praças de infantaria com as 2 peças de 6 nos intervalos das duas Armas. As partidas de Jacinto Guedes, e de Gabriel Machado cobriam o flanco direito, e as de Alexandre Luiz e de João Pais o esquerdo, as 40 praças de cavalaria, e 80 de Infantaria da Legião deixei para reserva.

[27 de outubro – 1000H: movimentação oriental]
Artigas, animado pelo nosso movimento retrógrado, e pelas nossas poucas  forças, resolveu atacar-nos, e desde as 10 horas do dia começaram as escaramuças sobre nossos flancos para proteger a sua formatura no arroio, as quais continuaram com mais ou menos intermissão até à uma hora da tarde. quando começou a aparecer a linha do Inimigo, subindo dos fundos do mesmo arroio: 450 homens de cavalaria marchavam na direita em uma só fileira, e 400 outros da mesma Arma na Esquerda cobertos com 150 charruas,  minuanos, e  guaranis, 500 praças de infantaria de Blandengues e negros: ocupavam o centro, igualmente em uma fileira, e com intervalos de 3 ou 4 passos toda esta força avançada em semicírculo procurando cercar-nos.  

Em consequência dos movimentos do inimigo dispus da minha reserva com a infantaria, mandei guarnecer o flanco esquerdo sobre o qual se dirigia a maior força, e para proteger a peça de 6 (a que dei nova posição) com metade da cavalaria, mandei reforçar o flanco direito, e com o resto cobrir a cavalhada. 

Formei ainda um Corpo de reserva da fileira da retaguarda, da infantaria de linha, que me pareceu menos urgente, na posição permitida atentas as circunstâncias do ataque, e da necessidade que receava ter de acudir aos postos que fraquejassem. 

Entretanto a linha do Inimigo avançava com extraordinariamente atrevimento, mas como os chuveiros de balas que descarregavam sobre a nossa nos não ofendesse, aceitei em deixar aproximá-la, não só porque a ineficácia de seus tiros contribuía para animar a nossa Tropa, que seria grande o seu prejuízo em cartuxame, mas ainda para tornar mais terrível a nosso ataque: assim que os colhemos os de meio alcance de fuzil, mandei avançar, e em menos de 10 minutos tinha voado o centro da linha do Inimigo à força de bala e baioneta da incomparável infantaria da Legião.  

O esquadrão de Dragões comandado pelo Sargento Mor Sebastião Barreto Pereira Pinto apoiado pelas Guerrilhas de Guedes, e Pais, e pela metade da cavalaria da Legião ao Comando do Capitão Brandão fez prodígios de valor para destroçar os charruas, minuanos, e guaranis; mas logo que o conseguiu a cavalaria inimiga fugiu debandada, e foi perseguida com perda considerável.

O nosso flanco esquerdo teve muito que sofrer, e foi no resto a bem das tropas que ali se tinham postado, parte da nova reserva de infantaria, porque a outra parte tinha ido cobrir a cavalhada: e o esquadrão de Dragões já victorioso no flanco direito se empenhava a destruir a cavalaria e infantaria do inimigo que para ali particularmente se tinha dirigido com a mira na cavalhada e peça de 6, que protegia; nada pode resistir ao valor da nossa tropa, e em menos de meia hora ficámos senhores pacíficos do campo do ataque.  

À medida que pude ir reunindo a cavalaria mandei sucessivamente perseguir  os fugitivos, parte do esquadrão de Milícias do Comando do Capitão Victoriano José Sentena, e parte dos Dragões ao comando do Alferes José Luís Mena Barreto, e parte da cavalaria de S. Paulo debaixo do comando do Capitão José da Silva Brandão, os quais acossarão ao inimigo uma légua além da sua grande guarda de Carubi, e ainda depois desta retirada ordenei ao bravo Alferes José Luís Mena Barreto com 6 homens de infantaria fosse bater os matos, barrancos, e lugares fundos, onde ainda se fez uma grande carnagem.  

Não poderei ter expressões suficientes para elogiar dignamente a boa vontade e firmeza, constância, e braveza, da nossa tropa, em que não notei um só indivíduo, que se não excedesse a si mesmo e que não animasse a seus camaradas por palavras, ou por ações, o que não fez vacilar nem um só instante a certeza da vitória qualquer que fossem as forças do inimigo e aspecto.  

[...]

[mortos no campo]
Da indagação feita pelo Tenente Coronel Joaquim Mariano Galvão, o Capitão José da Silva Brandão, ambos da Legião de S. Paulo, e pelo Ajudante de Dragões Francisco António de Borba resulta que ficaram mortos no campo do ataque 512 homens de todas as classes, não entrando neste número os que foram mortos pela cavalaria que os perseguiram, pela infantaria que mandei bater os matos depois da ação, e finalmente os que senão poderam contar pela grande distância donde foram repelidos, ajuizar e com quase certeza que o número dos mortos excede a 600, e que confirmam os prisioneiros; destes ficaram em nosso poder que consta da relação n.º 3 entre os quais se notam o celebrado Tenente ([...  ..])  (Gatile) Comandante de S. Anna, sobrinho e confidente de José Artigas, cuja correspondência se achou, e remeto incluso, e três outros oficiais, um dos quais é tenente do Regimento dos Negros. Dos nossos padeceram 29  mortos, e 55 feridos a maior parte gravemente, que todo será presente da relação n.º 4.

[despojos de guerra]
Quanto a armamento, munições, arreios, e cavalhadas, não poderei dizer a V Ex.ª de positivo, porque não havendo meio de fazer um recebimento em forma e menos  de transportá-lo, cada um  ficou com o que puderam saquear, entretanto tendo mandado formalizar relações do que voluntariamente quisessem deixar acho dividido por diferentes corpos e partidas 310 armas com baionetas, 220 espadas ([de]) (com) bainha de ferro, 23 pistolas, lanças, e flechas em grande número, assim muitass muitas cartucheiras e arreios, ficaram ainda em nosso puder duas caixas de cartuxos, uma de pólvora, 7 caixas de guerra, duas caixas a que chamam estandarte 500 cavalos, supondo porém, que deixei à livre vontade dos possuidores acusarem os efeitos e armamentos que tinham apanhado entre os quais havia grande número de piões, e piões escravos, e mesmo algumas pessoas que se agregaram à Tropa que consta fizeram maior saque. Finalmente que há muitos a quem coube 2 e 3 armas espanholas. Podemos avançar que o número dos artigos apanhados foi muito mais considerável e isto confirmam os prisioneiros asseverando que a infantaria perdera todo o seu armamento, e os que fugiam largavam as armas para melhor conseguir a sua empresa, acresce mais que o esquadrão de Milícias Guerrilhas me dizem que pretendem entregar o armamento Raiuno, o que indica quererem substabalecello com o que saquearam.

Não devo esquecer de recomendar a proteção de V Ex.ª o Reverendo Capelão José de Freitas e Castro; e ao ([Sarg]) Cirurgião Mor Joaquim de Souza Saquete ambos da Legião de São Paulo, os quais durante, e depois da ação ministraram seus socorros com a maior vontade, intrepidez, e caridade.  

Na exposição das forças de Artigas regulo-me pelo depoimento de Gatil, e pelo da maior parte dos prisioneiros, ainda que o resto fizesse avultar o número a mais de 300 indios do comando de Manduré.  Nada quero avançar de que não possa contestar  a verdade, o certo é que este cacique se achou na ação e que as cavalhadas só ficaram guardadas pelas mulheres dos indios. do depoimento dos mesmos prisioneiros consta que Artigas se retirara com uma guarda de 25 charruas para uma altura, e que fora o primeiro que disparou.

Em observância das ordens de V Exª e pelas circunstâncias que lhe são presentes entrei no país do inimigo, e como não houvesse no campo do ataque meios de subsistência de água, e lenha, cai sobre a minha retaguarda a procurar o acampamento da noite antecedente de donde pretendo seguir para esse, onde conto chegar no dia 29. O armamento que pedi a V Ex.ª no meu Ofício de 25 para armar a partida de Jacinto Guedes de Oliveira chegou oportunamente e com ele entrou no ataque. Este partidario é digno de toda  a  atenção.

D. G. a V Ex.ª  
Acampamento do Arroio de Elias 27 de outubro de 1816
Ao Ill.mo e Ex.mo Sr. Joaquim Xavier Curado
Do Brigadeiro Oliveira

AA.30: 81-84


Ordem de Batalha

Tropas Portuguesas (Exército do Brasil): Capitania do Rio Grande de São Pedro 

Comandante: Brigadeiro Joaquim de Oliveira Alvares (LTL), 760 homens

Infantaria:
- Legião de Tropas Ligeiras de São Paulo, infantaria (300 efetivos): OC

Cavalaria
- Regimento de Dragões do Rio Grande, cavalaria: alferes José Luís Mena Barreto
- Legião de Tropas Ligeiras de São Paulo, cavalaria: capitão José da Silva Brandão
- Regimento de Milícias do Rio Pardo, cavalaria: sargento mor Francisco Barreto Pereira Pinto; Capitão Victoriano José Sentena
- Guerrilha de Voluntários, cavalaria: capitão Alexandre Luiz de Gabriel Machado, alferes Jacinto Guedes de Oliveira e capitão João Pais
(300)

Artilharia:
- Legião de Tropas Ligeiras de São Paulo, Artilharia, 40 efetivos + 2 peças de calibre 6: 1.º Tenente Bento José de Morais

Tropas da Liga Federal dos Povos Livres
Comandante: Jefe de los Orientales José Artigas

Ala Esquerda (infantaria 500, cavalaria 200): tenente coronel Ramón Fernandes, Blandengues, infantaria)
Ala Direita (infantaria 500, cavalaria 200): major Andrés de Latorre

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Oficiais Portugueses que se distinguiram por valor e bons serviços

Brigadeiro graduado Joaquim de Oliveira Álvares (LTL, Legião de Tropas Ligeiras)
Tenente Coronel Joaquim Mariano Galvão de Moura (LTL)
Cirurgião Mor Joaquim de Sousa Saquete (LTL)

Tenente José Joaquim de Santana (Infantaria, LTL)
Tenente Jerónimo Isidoro de Abreu (infantaria, LTL)
Tenente Inácio José da Silva (infantaria, LTL)
Alferes João Vicente Pereira Rangel (infantaria, LTL)
Alferes Joaquim Luís de Andrade (infantaria, LTL)
Alferes Manuel José da Conceição Ramalho (infantaria, LTL)
Cadete João Nunes Ramalho (infantaria, LTL)
Cadete José Joaquim Dornelas Vasconcelos Dória (infantaria, LTL)

Capitão António Simplício da Silva (cavalaria, LTL)
Capitão José da Silva Brandão (cavalaria, LTL)
Cadete Joaquim César de Oliveira (cavalaria, LTL)

1.º Tenente Bento José de Morais (artilharia, LTL)

Sargento mor Sebastião Barreto Pereira Pinto (Dragões RG)
Tenente Gaspar Francisco Mena Barreto (Dragões RG)
Tenente José Rodrigues Barbosa (Dragões RG)
Tenente Manuel Barreto Pereira Pinto (Dragões RG)
Ajudante Frtancisco António Borba (Dragões RG)
Quartel Mestre Joaquim António de Alencastre (Dragões RG)
Alferes Vasco Peereira de Macedo (Dragões RG)
alferes José Luís Mena Barreto (Dragões RG)
Cadete porta estandarte Melchior da Rosa e Brito (Dragões RG)

Sargento mor Francisco Barreto Pereira Pinto (RegMil Rio Pardo)
Capitão Vitoriano José Centeno (RegMil Rio Pardo)
Tenente Bento Manuel Ribeiro (RegMil Rio Pardo)
Tenente António de Medeiros (RegMil Rio Pardo)
Tenente Salvador Nunes Jardim (RegMil Rio Pardo)

Capitão Alexandre Luiz de Gabriel Machado (Guerrilhas)
Capitão João Pais (Guerrilhas)
Capitão João de Góis (Guerrilhas)
Alferes Jacinto Guedes de Oliveira (Guerrilhas)

Baixas

CARUMBÉ (27/10) – Baixas Portuguesas

MORTOS
FERIDOS
Ação
OFICIAIS
PRAÇAS
OFICIAIS
PRAÇAS
Cav, LSP
0
2
0
1
Inf, LSP
0
8
0
15
Art, LSP
0
0
1
3
Reg Dragões Rio Grande
0
10
0
16
Reg Mil Rio Pardo
0
5
0
14
Esq Entre Rios
1
0
1
0
TOTAL
1
25
2
49


Biografias
- Tenente general JOAQUIM XAVIER CURADO
- brigadeiro graduado JOAQUIM DE OLIVEIRA ALVARES

Fontes
- Comisión Nacional Archivo Artigas, Archivo Artigas, Montevideo, Monteverde, tomo 31.
- Diogo Arouche de Moraes Lara, “Memória da Campanha de 1816”, in: Revista trimensal de historia e Geographia, ou, Jornal do Instituto Historico e Geographico Brazileiro, n.º 27, Outubro de 1845;
- VAZQUEZ, Ten. Cor. Juan Antonio, Artigas Conductor Militar (Coleção General Artigas, n.º 12) Centro Militar, Montevidéu, 1953.

2 comentários:

  1. Agradeço por todas essas descrições. Sou descendente do Alferes João Vicente Pereira Rangel. Enriqueceu muito minhas pesquisas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado. Estes heróis do Sul de 1816 merecem não só a nossa lembrança como o nosso reconhecimento.

      Eliminar