domingo, 1 de setembro de 2019

Memórias do coronel Francisco de Paula Azeredo - III


Memórias do coronel Francisco de Paula Azeredo: Parte III
Na continuação da marcha terrestre de 5  de Agosto de 1816, em que o coronel e o 2.º Regimento de Infantaria saiem Torres até 31 do mesmo mês, quando estão em S. José do Norte.

Continua da Parte II [LER]
Parte I [LER]

[5 de Agosto de 1816]
No dia 5 sahiram das Torres e foram pernoitar, seguindo a beira-mar, a uma roça, a que denominaram = cerca dos prègos =por ter a madeira que a circuita sido pregada com prégos em vez de ser entrançada com vimes, como é geralmente usado. 
Este sitio, a tres legoas da ultima estação, é lindo, coberto de bello e frondoso arvoredo, entre o qual s'encontram madeiras raras: quando os soldados accenderam as fogueiras, os paus lançavam um aroma suavissimo, e pareciam tão amarellos como açafrão. Foi em sitio tão ameno, onde se encontravam excellentes pastagens para os cavallos, que das quatro para as cinco horas da tarde os accommetteu uma violenta tempestade, que os deixou todos em agua : tendo porém soprado o nordeste, aclarou o tempo, e se fizeram fogueiras para os soldados s'enxugarem; quando s'entregavam ao descanço e o somno lhes carregava os olhos, veio antes do romper d'alva nova tempestade, com trovões horrorosos, que alagou o campo duranto tres horas, sendo tão formidavel que encheu a todos de pavor. Assim um sitio tãn aprazivel se lhes tornou um logar infernal, d'onde sahiram, apenas amanheceu, alagados até aos ossos, esperando que a fortuna lhes deparasse uma melhor noite para o dia seguinte, que foram os 6 d'agosto.

[6 de Agosto]
N'este dia avançaram tres legoas, indo ficar ao campo do = Victorino =, nome que tomou de um colono, que alli edificou uma casa, á qual juntou nm extenso passal, que elle não podia cultivar inteiro. Todo elle se achava cheio de pastagens e feno, que não se colhe nem guarda, porque n'este paiz, onde ha innumeros cavallos, andam estes sempre ao pasto, e nunca entram em cavalhariça—, que não ha em parte alguma. Quem faz jornadas marcha a cavallo, e quando o sente fatigado, lança o laço ao primeiro que encontra, sella-o com os arreios do outro, monta-o, e abandona o primeiro, que por seu turno vai substituir o ultimamente sahido.
Era assim como marchavam n'esta expedição os guias, que a conduziam.

[7 de Agosto]
No dia 7 vieram acampar ao Ignacinho, que tomou este nome d'outro colono, chamado Ignacio, que fez alli a sua habitação e residencia habitual. Este campo dista tres legoas do antecedente, está geralmente inculto, e apenas contém arvores silvestres.
Ahi se fez sentir uma nova trovoada, que foi comtudo menos forte do que a antecedente. O Coronel dormia no seu carro de jornada, onde levava a bagagem, de modo que assim tinha as commodidades compativeis com a falta delas em tal localidade.

[8 de Agosto]
No dia 8 continuaram pelo mesmo campo, andando quatro legoas até ao sitio denominado = Capão do Tramandahi = Capão é denominação geral de todos os locaes onde ha arvoredos no meio dos campos: 

[9 de Agosto]
e Tramandahi era o nome de um rio que lhes ficava na vanguarda, e que passaram no dia 9: encontrando-o na marcha d'este dia a uma legoa de distancia: é este rio muito largo e caudaloso, formado no encontro de duas lagoas que circumdam a cordilheira, de que já falíamos, na estação das Torres; vindo as ditas lagoas de uma e outra banda da cordilheira dão origem a este rio, que o batalhão passou com grande difficuldade em canoas, por não se ter podido fazer jangada. Os cavallos e bois passaram a nado, como é costume no paiz. 
Porém ainda n'este dia tiveram de atravessar outro rio menos importante, chamado = Thomaz José = nome do colono, que construiu uma casa n'um campo visinho, onde o batalhão veio pernoitar. Sobre este rio havia uma arruinada ponte de madeira, por onde passou com muito custo o batalhão, indo os cavallos a nado; de poucos que passaram pela ponte foram alguns ao rio, que se afogaram.

[10 de Agosto]
No dia 10 descançaram no campo acima referido, e na casa de Thomaz José já não existiam senão dous filhos do mesmo e seus escravos. Aqui vieram alguns habitantes vender laranjas e carne de porco, e se bem que os preços fossem pouco favoraveis, porque os vendedores conheciam a precisão, serviram comtudo de bastante, por serem generos de que o batalhão estava desprovido. 
Os soldados sempre curiosos de investigarem o paiz, que exploram, deram com tartarugas, que mataram, e comeram. N'uma se encontraram ovos perfeitissimos, redondos como bolas de bilhar, e com o gosto dos das gallinhas.

[11 de Agosto]
Levantando o campo no dia 11, dia de S. Lourenço, seguiram por uma planicie mais arenosa e despegada do que a antecedente, indo os soldados descalços, por causa da arêa que os não deixava andar. Tendo feito uma marcha de cinco legoas, vieram pernoitar no sitio denominado == Ponteira da Silveira. 
O terreno, como já dissemos, é arenoso, mas os pastos são immensos e cobertos de grandes manadas de bois, cavallos, corças e veados. O numero das aves tambem ê consideravel: alli se voem gallinhas d'enorme grandeza, e patos maiores do que os nossos patos reaes: os abestruzes percorrem estas campinas com a ligeireza do raio, não podendo voar com as azas, que só lhes servem d'auxiliares na carreira. 
Junto ao sitio do acampamento havia um bosque, onde os soldados foram explorar, e ahi encontraram um animal que é mettido todo dentro d'uma caixa de differentes côres, só pelo serro, e pela barriga tem pêllo como um porco; a cabeça tambem se assemelha á d'este animal, e os pés e mãos são como as do lagarto.
Quando se lhe toca, recolhe-se todo dentro da caixa, como fazem as tartarugas e kágados: chama-se=tatu=conhecido por todos os naturalistas: a sua carne é excellente e semelhante a do porco: os cornetas do batalhão o mataram e comeram, achando-o optimo.

[12 de Agosto]
No dia 12 marcharam por um campo em tudo semelhante ao antecedente, e como terminasse a serra, que o limitava á direita, a planicie ficou sem limites, estendendo-se pelo sertão a distancias incalculaveis. 
N'esta marcha encontraram um tigre, que se retirou vagarosamente aos apupos que lhe fizeram os soldados. 
Ao fim de quatro legoas vieram acampar a = Quintão =, onde habitava um sapateiro, com sua mulher, filhas e mais familia. 
Informou este ao Coronel das muitas particularidades do local, sobre suas producções e animaes domesticos e ferozes que o povoavam: aqui se terminava a freguezia da = Serra — que tem mais de vinte legoas d'extensão: a igreja está edificada nas abas da N montanha, acima descripta; ahi é muito mais compacta a população, pois ha moradas de casas de meia em meia legoa, ao passo que longe das abas da serra apenas as ha de seis e oito legoas umas das outras: d'onde resulta que a maioria dos habitantes nunca ouvem missa, e raras vezes se confessam: até os proprios filhos baptisam em casa, e frequentemente só vão receber os santos oleos depois de serem crescidos, ou quando vão para se casarem.
A este campo vieram os pretos vender pão mal manipulado, laranjas, e = tatus - ; estes foram vendidos a 80 reis cada um, e os soldados os comeram com appetite. 

[13 de Agosto]
No dia 13 deixaram este campo, e a excellente familia do sapateiro, que pelas maneiras mostrava um tracto mais ^requente do que o local indicava.
Dirigiram a marcha sobre um local, a que chamam = Barros-novos = onde habitava uma velha, por nome D. Quiteria, viuva d'um official de milicias, chamado Barros, donde veio o nome ao sitio, em que edificou a sua casa, pois já havia construido outra d'ahi distante duas legoas, a que chamaram = Barros-velhos =. Vivia esta velha com os seus escravos, e possuia grande extensão de terrenos, com muitos gados que vendia por preços favoraveis, taes como os cavailos a 2#400 reis, bois bravos a 2$000, e mansos a 4$000 reis, mullas bravas a 960, e burros bravos a 320, e vitellas a 600 reis, tudo em dinheiro fraco. 

[14 de Agosto]
Dista este sitio quatro legoas do antecedente, e outras quatro do seguinte, onde vieram ficar no dia 14, chamado = Cacimbas = nome derivado das lagoas, que o cercam, que no paiz são chamadas assim: havia ahi apenas duas moradas de casas.

[15 de Agosto]
Foi no dia 15, que chegaram, depois de quatro legoas de marcha, a S. Simão, onde havia quatro casas com seus habitadores, que tinham gados e hortaliças em abundancia. 
Proximo d'este logar se andava edificando uma nova povoação, a que deram o nome de = Povos =. 
Tambem n'esté sitio estava um deposito de mantimento para a tropa, como já se tinham encontrado outros, distanciados de quinze a dezeseis legoas. 
Aos soldados dava-se um dia ração de bolaxa, outro de farinha de pau, e outro de arroz: recebiam tambem ração de cachaça; e a carne era dos bois que se laçavam no caminho, pelos quaes os proprietarios recebiam vales, que o governo pagava á razão de 2&660 por cada boi. 
Todos os guias e condactores de bagagens vinham a cavallo; pois n'aquelle paiz ninguem sahe de casa a pé, e até os que conduzem gados, ovelhas, carneiros, etc, para pastarem pelas suas illimitadas planicies, andam sempre a cavallo, e com uma destreza maravilhosa.

[16 de Agosto]
No dia 16, depois de levantado o campo, veio um violento pé de vento, que fez obscurecer o ar; sendo necessario que os soldados se lançassem por terra, para não serem levados pelos ares: durou isto alguns minutos, ao que se seguiu uma violentissima tempestade com chuva e saraiva, e como alli não havia abrigo continuaram a marchar, e duas horas depois o tempo serenou e andaram tres legoas, indo pernoitar ao sitio dos=Gagos=assim chamado por ter tido por primeiros povoadores dois irmãos, ambos gagos, a quem o então proprietario, velho de setenta annos, tinha comprado todo o terreno com suas casas, duas legoas em torno, por 600)51000 reis.
Este velho tinha aformoseado o local, que povoara de laranjeiras, limoeiros e limeiras; não tinha visto passar ainda tropa alguma n'estes sitios, e veio pedir para que o não prejudicassem nem lhe estragassem o seu predio; pedido bem inutil, porque o regimento estava na melhor disciplina.
Era este homem natural de Miranda do Douro, d'onde tinha sabido na idade de quatorze annos, casando e estabelecendo-se n'este paiz: tinha cinco filhos todos casados e vinte e sete netos. A presença d'esta tropa toda portugueza excitou no bom velho uma viva saudade pela patria: este nome sempre caro fere todas as cordas d'alma, qualquer que seja o lapso de tempo decorrido desde que se tenha abandonado.

[17 de Agosto]
No dia 17 seguiram para o logar das = Mostardas = o maior que se encontra desde a Laguna, pois tem quarenta casas: e pela primeira vez, desde aquella viila, pode a tropa aquartellar-se; pelo que descançaram ahi no dia 18, e só a 19 proseguiram na sua marcha.
O Coronel hospedou-se nas Mostardas, em casa d'um negociante, natural de Braga, e no dia 18 como era domingo, ouviram missa, dita na igreja pelo Vigario, que era natural de Sepães, proximo a Guimarães, d'onde tinha vindo para a America em 1811, depois de actos menos regulares praticados na sua terra. 
A freguezia das Mostardas estende-se desde Barros-novos até nove legoas adiante d'este logar, tendo assim vinte e quatro legoas, e apenas mil almas de sacramentos. 

Aqui já se fabrica pão de trigo e de milho, e se faz menos uso da farinha de pau: ha menos pastos, mas está muito melhor cultivado o terreno. E' o clima n'este paiz muito semelhante ao de Portugal, e n'este dia, que corresponderia a igual data de fevereiro, estava frigidissimo, soprando o nordeste.

Detraz d'esta povoação começa a vêr-se a grande = lagoa dos Patos = que vai desde S. Pedro do Rio-Grande a Portalegre, e ainda mais adiante. A largura d'esta lagoa é formidavel, excedendo a quarenta legoas em partes, dando logar a uma navegação extensa.

As casas n'este paiz são em geral feitas de madeira, e estão entrelaçadas sem prégos nem ferro de qualidade alguma: em vez d'isto atam as differentes peças das casas com cordas de boi, e depois enchem tudo com barro, e sobre este lançam bosta d'aquelle animal: o telhado é coberto de junco sobre a armação, que tambem não é pregada, mas só atada como dito fica. As portas são de coucinho, e fechadas com taramellas: dão ás casas o nome de ranchos ou palhoças.

[19 de Agosto]
Proseguiram no dia 19 para as Guaritas, distante quatro legoas, continuando o tempo frigidissimo, com vento de nordeste: a estrada é mais habitada do que as antecedentes planicies d'esta provincia do Rio Grande. Nas Guaritas habitava um Major de milicias, casado, que tinha uma excellente casa, feita de tijolo, e coberta de telha. Elle tratou o Coronel com franqueza e cordialidade, e lhe disse ter vindo de Portalegre, n'esta mesma provincia, fazendo alli construir aquella casa á maneira das grandes povoações.

[20 de Agosto]
D'aqui continuaram a marcha no dia 20 ao longo d'um extenso bosque para o sitio do = Capão comprido = a tres legoas de distancia: apesar da jornada ser pequena, a boiada que conduzia o carro do Coronel cançou, e como o mesmo carro se houvesse tombado, deu isto origem a varios prejuizos.
Era o dia 20 d'agosto aquelle em que se celebrava a festa do grande S. Bernardo, Abbade de Claraval. 
Este dia era para o Coronel de saudosas recordações, porque em alguns dos annos anteriores costumava passal-o no mosteiro de Salzedas, pertencente á religião de S. Bernardo, onde os bondosos monges regalavam opiparamente os seus hospedes e amigos. Entre estes se contavam os irmãos Azeredos, que tendo grande parentella na ordem, eram alli sempre recebidos com inexcedivel cordialidade e amizade. Ainda no anno anterior de 1813 lá havia passado este dia, e então era no meio das planicies infindas do novo mundo que a sua renovação o vinha encontrar. Hoje de todas as festas e de todas as gallas com que os monges celebravam a festa do grande Patriarcha, que resta? Apenas o horror da solidão e das ruinas atravez dos dormitorios e claustros abandonados do sumptuoso Mosteiro, onde as vozes em coro entoaram perennemente por seculos os louvores do Deus dos Exercitos, do Deus tres vezes Santo.

[21 de Agosto]
A noite de 20 para 21, e todo este dia se apresentou terrivelmente tempestuoso, sendo comtudo forçoso marchar para ir pernoitar ao == Capão da Figueira =a quatro legoas adiante. 

[22 de Agosto]
Não appareceu melhor o dia 22; a chuva, tendo continuado, tornou a marcha trabalhosa atravez dos campos alagados; assim continuaram por mais quatro legoas até.ao Capão do meio, onde havia uma unica casa, em que vivia uma viuva com tres filhas casadas, e outras tantas solteiras, todas formosas.

[23 de Agosto]
No dia 23, seguindo uma lingoeta de terra entre o mar e a lagoa dos Patos, foram ficar a uma povoação onde havia igreja parochial, denominada o = Estreito = nome que lhe proveio da estreiteza do terreno entre o mar e a lagoa: 
ahi se aquartelou a tropa, que vinha em estado lamentavel, encharcada em agua, e tiritando de frio. O terreno, varejado pelos ventos, está açoriado pelas arêas do mar e da lagoa, que o tornam quasi esteril. A freguezia do Estreito tem dezesete legoas de comprido, e chega quasi ao Rio Grande.

[24 de Agosto]
O tempo não melhorou no dia seguinte (24) festa do Apostolo S. Bartholomeu, em que o batalhão ouviu missa na parochia; finda a qual proseguiu-se na marcha, indo pernoitar a quatro legoas adiante, no sitio do Miguelito, nome derivado d'um primeiro habitador, chamado Miguel, cuja mulher ainda então vivia já velhissima.

[25 de Agosto]
Duas legoas ao sul está a povoação do norte, assim chamada, por estar ao norte da villa de S. Pedro do Rio Grande do Sul; e para a dita povoação seguiu o batalhão no dia 25. E' ella bonita, com coisa de setenta casas, e feitas como as da Europa, com telhado, vidraças, e paredes caiadas, e por dentro grande asseio: mas estando edificada sobre um areal tem sido invadida pelas arêas. A tropa aquartelouse na povoação, o que muito precisava, porque as continuas chuvas tinham-na posto em desgraçado estado.
Hospedou-se o Coronel em casa do negociante Antonio de Sá, natural da provincia do Minho, casado e tora filhos, que o tratou com muita affabilidade e excellentes maneiras.
Esta povoação está defronte da villa de S. Pedro do Sul, mettendo-se de permeio a lagoa, a que dão o nome de = Rio Grande.
Tem muito negocio por ser porto de mar, e o rio esrá sempre attestado d'embarcações, que andam no trafico da mercancia. O frio, como já se disse, era intenso, e igual ao que se sente em Portugal no mez de janeiro. Como a tropa precisasse de descanço, no fim de uma marcha de 108 grandes legoas, deliberou o Coronel demorar-se ahi alguns dias.

[26 de Agosto]
A hospitalidade dos seus patrões foi a mais franca e sincera: no dia 26 deram-lhe um baile com brilhante companhia: alli no mundo virgem, entre aquella boa gente, folgava-se á moda portugueza: assim se reuniram as senhoras da povoação, e se dançou até alta madrugada, com uma animação e enthusiasmo frenetico. Alguns corações ficaram feridos de parte a parte; entre os officiaes do batalhão e as meninas da terra estabeleceu-se aquella affinidade que tambem cá no velho mundo se observa. A raça humana é uma e a mesma : as suas tendencias, os seus instinctos, as suas paixões são em toda a parte identicas: que importa que os homens nasçam e vivam debaixo do sol perpendicular da zona tórrida, sob as zonas temperadas, ou que vejetem entre os gêlos das regiões polares; em toda a parte elles são os membros dispersos da grande familia, que só tem uma origem e uma denominação commum. 

[30-31 de Agosto]
A instancias d'esta interessante companhia demorou-se o batalhão alli até ao dia 30, sahindo no dia 31 pelas 7 horas da manhã, com visiveis signaes de saudade dos que iam, e dos que ficavam: e não faltaram desejos e até perigos de tanto os transeuntes como as indigenas, ficarem unidos para sempre: todavia forçoso foi partir. A vida n'este mundo é uma peregrinação continuada até ao termo final: as horas mais doces passam como os sonhos, e parecem mesmo sonhos: só os negros cuidados, as amarguras pungentes que corroem a existencia, e abreviam'o seu termo, deixam caracteres indeleveis sobre a fronte e no espirito.

[CONTINUA]


* * *

CONHEÇA A BIOGRAFIA DESTE OFICIAL AQUI

Retirado de: AGUILAR, Francisco D’Azeredo Teixeira D’, Apontamentos Biographicos de Francisco de Paula D’Azeredo, Conde de Samodães, Porto, Tip. Manoel José Pereira, 1866. pp. 82-sg

Sem comentários:

Publicar um comentário